Tema Material
Água

GRI 103-1, 103-2, 103-3

Para as nossas operações, água também é um tema de grande relevância e, por isso, está contido em nossa estratégia o fortalecimento da gestão dos recursos hídricos, em alinhamento com a atuação sustentável da companhia. Nossa meta de eficiência hídrica é alcançar 75% de recirculação de água em todas as operações até 2025. Outro desafio é o uso específico de água nova em nossos processos, que tem como meta a redução de 30% de captação.

Nosso desempenho é medido frequentemente e o acompanhamento desses indicadores mostra que, em 2017, nossa marca de recirculação da água foi da ordem de 66%, ante 67% em 2016. O cálculo considera o volume captado em relação a toda a água utilizada no processo. GRI 303-3

Nosso plano de gerenciamento de água é dividido em três etapas principais, que são revisadas periodicamente e aplicadas nas operações e também nos projetos greenfield em desenvolvimento. Os três estágios são:

❯ Diagnóstico: consiste na avaliação de risco hídrico e no desenvolvimento de um quadro para a contabilização da água;

❯ Controle / Mitigação: exercido por meio de auditorias e um plano de contingência;

❯ Desenvolvimento: inclui um Plano Diretor de Medição (vazão) para todas as unidades, com 14 iniciativas que contribuem para aumentar a recirculação e reduzir a captação de água doce.

Evolução

Em 2017, evoluímos no mapeamento do risco de escassez hídrica, com o desenvolvimento de uma ferramenta chamada Risco Hídrico. Fizemos a aplicação dessa matriz em todas as nossas unidades e hoje conseguimos sinalizar qual é o risco exposto e em que aspecto. Também evoluímos na análise crítica dos monitoramentos de água, com o alinhamento de conceitos e a padronização dos laboratórios de análise de qualidade contratados.

Outra iniciativa importante no ano foi o trabalho de padronização da contabilização de água, que avaliou o custo real do metro cúbico utilizado em cada unidade, incluindo gastos com bombeamento, circulação, tratamento e outorga. Essa forma de acompanhamento irá trazer muitas melhorias de gestão ao processo, além de ajudar a monitorar os maiores usuários do recurso, para um melhor planejamento. Para 2018 e 2019 planejamos instalar medidores internos em cada área usuária mais relevante para gestão de águas e, com isso, identificar novas oportunidades de evolução.

Como exemplos de boas práticas de gestão dos recursos hídricos podemos destacar iniciativas em algumas unidades. Em Cerro Lindo funciona a primeira planta dessalinizadora do Peru. Com uma estação composta por tanques de armazenamento, redes de bombeamento e filtros de osmose reversa, é possível operar com 100% da água utilizada proveniente do mar e não há descarte de efluentes na unidade de mineração. A unidade também conta com sistemas de recirculação e tratamento de água que permitem o reaproveitamento do insumo no processo produtivo de forma eficiente, minimizando perdas e custos para a captação, mantendo a eficiência hídrica em 91%.

Nas unidades do Brasil, demos continuidade ao projeto Água Limpa, em Morro Agudo, que possibilita a retirada de recursos de boa qualidade diretamente das falhas geológicas, fraturas e furos de sonda, para utilização na planta e posterior retorno ao meio ambiente. Seu processo de reúso da água possui a marca de 78%. Em Três Marias, destaca-se também a redução de uso de água em 17% por melhorias no processo de gestão de recurso iniciada no segundo semestre de 2017.

Consumo de Água por Fonte17 GRI 303-1

Nota 17: Nosso balanço hídrico é elaborado com base na Water Accounting Framework (SMI/MCA, 2014), que incorpora todo o volume de água captada e utilizada pela organização. Os dados são reportados considerando as captações de água superficial (rio e mar), subterrânea (provenientes de poços ou retirada com fins de rebaixamento de mina, embora sem uso no processo produtivo) e água de chuva armazenada em estruturas físicas localizadas nas unidades.

Descarte

Nosso programa de recirculação de água também contribui para garantir um menor volume de efluentes. Isso reduz tanto o risco de um impacto adverso no meio ambiente quanto o custo do tratamento para garantir que o efluente descarregado atenda aos parâmetros de qualidade requeridos. Em 2017, 40% das despesas ambientais foram destinadas ao tratamento de efluentes.

Com exceção de Cerro Lindo, que possui zero descarte na unidade de mineração, 100% dos efluentes das outras plantas são encaminhados a Estações de Tratamento (ETEs/ETEi) e submetidos a processos de acordo com o tipo. Todos os novos projetos têm a obrigatoriedade de iniciar suas operações com pelo menos 75% de recirculação.

Em Juiz de Fora, concluiremos em 2018 a instalação do novo sistema de drenagem industrial, que tem como objetivo segregar as águas pluviais na unidade. Os trabalhos contemplam a construção de novas redes de drenagem, adequadamente dimensionadas e com materiais resistentes; instalação de sistema de bombeamento dos tanques de contenção da área industrial para o reservatório da Barragem da Pedra, em picos de chuva; construção de tanques de sedimentação e segregação de drenagens.

O Rio Santa Catarina, na região de Vazante, no noroeste mineiro, é um dos diversos mananciais brasileiros que sofre com a crise hídrica. O solo por onde o rio corre é cárstico, cujas características são propícias para o aparecimento de dolinas, um fenômeno comprovadamente natural. Desde 2014, quando a falta de chuvas começou a se agravar na região, algumas dessas estruturas apareceram ao longo do rio, contribuindo para a diminuição de sua vazão.

Estamos desenvolvendo estudos relacionados ao tema e monitoramos constantemente a vazão do rio. Além disso atuamos como parceiros da comunidade, da Prefeitura e dos órgãos ambientais para a minimização dos impactos da crise hídrica em Vazante por meio de diálogos e Painéis de Diálogos com a Comunidade (ver mais na página Comunidade).

Nota 18: Os dados são calculados utilizando a base da Water Accounting Framework (SMI/ MCA, 2014) , que considera o somatório de água reutilizada / Somatório água utilizada e a base GRI, em que são utilizados o somatório de água reutilizada / somatório de água retirada.