Desenvolvimento de Mercado

No terceiro eixo da estratégia, voltado ao mercado de zinco metálico, o foco é manter a nossa posição de liderança na América do Sul, além de desenvolver novos mercados e produtos. Priorizamos os clientes finais para agregar valor de forma sustentável no longo prazo e alavancar novas oportunidades.

Nos últimos anos, temos buscado uma participação maior em novos mercados, tais como África, Estados Unidos e, mais recentemente, o mercado asiático. Para isso, estamos diversificando produtos – com ênfase no mercado de galvanização, que representa aproximadamente 60% do consumo mundial de zinco – e criando estratégias que diferenciem nossos produtos e níveis de serviço de pós-venda aos clientes.

Mantemos um portfólio de produtos diversificado, buscando inovações e customizações para atender às demandas de nossos clientes finais e acompanhar as tendências dos mercados. Da mesma maneira, comercializamos coprodutos de nossas operações, como por exemplo o Zincal de Morro Agudo, que antes era destinado à barragem e agora é vendido como um pó de calcário rico em zinco e utilizado como insumo agrícola. Com essa mudança de rota tecnológica, reduzimos os resíduos da unidade em uma iniciativa que permitiu transformar o que antes era uma preocupação ambiental em fonte de receita.

Também alinhada à estratégia de zinco metálico, na área de venda de concentrados de cobre e chumbo, diversificamos as vendas regionais, anteriormente centralizadas em dois grandes clientes, e as vendas diretas aos smelters de cobre e chumbo.

No ano, reestruturamos a Diretoria Comercial, que passa a responder também por Logística e Supply Chain, o que permitiu uma visão mais clara do reforço logístico para assegurar um melhor serviço aos clientes e nos diferenciar no mercado. Ao longo do ano houve evolução dos planos S&OP (Sales and Operation Planning – operações e vendas), com planejamento conjunto das áreas de produção, comercial e logística para maximizar a qualidade da entrega e o nível de serviço, além de aumentar a produtividade e reduzir custos. Estamos introduzindo um novo projeto, o Roadmap de Logística, que vai traduzir a estratégia de vendas em uma estratégia logística, ampliando as possibilidades de captura de resultados.

Também adotamos ações pontuais para o cumprimento das metas estratégicas. Uma delas foi a estruturação de times globais. Contratamos um novo gerente-geral Comercial, sediado em Luxemburgo, para uma visão mais direta e abrangente do mercado internacional. Além da Europa, possuímos escritórios comerciais nos Estados Unidos e no Peru, sendo que o último abrange a comercialização de concentrados, metais América Latina (Latam), ex-Mercosul, e coprodutos.

Reestruturamos posições internas para buscar um maior conhecimento e uma melhor segmentação de mercado. No Brasil, um dos destaques foi o trabalho de segmentação das contas em duas esferas: contas de Siderurgia e contas de Galvanização Geral e Fundições. Esse trabalho já surtiu os primeiros benefícios. Com melhor dinâmica e aproximação ao mercado, conseguimos aumentar nosso posicionamento em clientes relevantes para o nosso negócio, firmando contratos de longo prazo.

Estruturamos ainda a área global de Planejamento e Marketing, que inclui as frentes de Marketing Estratégico; Desenvolvimento de Mercado e Inteligência Competitiva; Desenvolvimento de Produto, Qualidade e Assistência Técnica; S&OP (Sales & Operation Planning); e Performance Comercial, para apoiar as equipes de vendas desde a elaboração da estratégia até a execução. Essa estrutura viabiliza a contínua evolução das iniciativas, alinhadas ao eixo estratégico de Desenvolvimento de Mercado.

Mantivemos a liderança de mercado na América Latina. Na Ásia, o volume final vendido foi superior ao estimado inicialmente e à nossa média histórica, o que ampliou nossa presença global.

Nosso foco em 2018 será estarmos mais próximos dos clientes e mercados. Esse posicionamento está alinhado ao desafio de fortalecer a imagem da Nexa como um player global.

Logística

Ao longo de 2017, tivemos uma grande evolução no processo de planejamento conjunto das áreas de produção, comercial e logística, buscando maximizar a qualidade de entrega e minimizar custo. A base desse trabalho foi o projeto Roadmap de Logística (ver mais na página Tecnologia da Informação), que tem como aspiração integrar os sistemas de controles e base de dados logísticos globalmente, permitindo mais velocidade de reação da empresa e tomada de decisão em tempo real, baseada em dados confiáveis.

Os primeiros testes realizados com a ferramenta, cuja previsão é implantar em 2018, já nos mostrou algumas melhorias em indicadores, como uma evolução na percepção de satisfação do cliente, menores números de reclamação e devolução de material, entre outros. Graças a esse projeto, aprovamos o maior plano de investimento logístico dos últimos cinco anos, da ordem de US$ 5 milhões.

Outro destaque de 2017 foi uma maior integração da logística interna (mina/smelter), principalmente com as unidades do Peru. Melhoramos o fluxo logístico entre a expedição e o recebimento, o que trouxe melhoria operacional e uma redução de custos de fretes no ano de US$ 2,9 milhões. Um exemplo foi a otimização do fluxo de caminhões na unidade de Cerro Lindo, que permitiu uma redução de 30% na circulação apenas com ações de planejamento, como melhor entendimento do comboio, adoção de horários escalonados, entre outras. Além do ganho financeiro, elas também se traduzem em ganhos de segurança e mobilidade.

Também vale destacar as iniciativas realizadas em Cajamarquilla para mitigar os efeitos adversos do fenômeno El Niño sobre as questões de logística. No período das chuvas, adotamos um sistema de rota alternativa, com melhor utilização do modal ferroviário (menos afetado pelas chuvas do que o rodoviário).