Eixo Excelência Operacional

Buscamos a melhoria contínua da competitividade para maximizar o valor das operações existentes, por meio de estabilidade operacional, aumento de utilização de capacidade, melhoria constante de custos, produtividade e racionalização do capital empregado. Acreditamos também no investimento em tecnologia, inovação e automação para melhorar nossa produtividade e competitividade, ampliar a cultura de segurança e apoiar os principais objetivos de sustentabilidade, como aumento da reciclagem de água, redução das emissões de CO2 e da geração de resíduos. ODS 9.4

Antecipamos nossas metas de excelência operacional de 2025 para 2023, visando fortalecer a geração de caixa para apoiar nosso objetivo de crescimento, que tem como principal alavanca o programa Jeito Nexa. Além dos trabalhos que estão sendo realizados na frente de cultura, o programa busca a criação de valor por meio do estímulo à geração de ideias, de melhorias de performance e de alocação de capital.

Para garantir a implementação dessas ideias, o programa Jeito Nexa conta também como uma estrutura de governança responsável por acelerar e garantir implementação dessas iniciativas. (Mais informações sobre o Jeito Nexa estão na página Pessoas).

Mineração

Um dos principais exemplos de excelência operacional foi a otimização dos turnos de trabalho do subsolo em Vazante, que possibilitou uma produção de 1,4 milhão de toneladas extraídas da mina e 16,7 quilômetros desenvolvidos, representando aumentos de 2,4% e 11,2%, respectivamente, em comparação ao ano de 2018. Na planta de concentração, tivemos melhorias de 2,3% na recuperação metalúrgica que, junto com a implementação do novo circuito de ore sorter, possibilitou a manutenção dos níveis de produção de zinco, mesmo que o circuito principal de moagem tenha parado 30 dias para manutenção.

O ore sorting é uma tecnologia que consiste na separação a seco pelo teor do minério e estéril, melhorando a eficiência e reduzindo o custo da recuperação de metais. Com os bons resultados obtidos em Vazante, aumentamos a produção na mina subterrânea e o tratamento de minério a partir de rejeito. Além de recuperar maior quantidade de metal, Morro Agudo também incrementou as vendas de Zincal (subproduto da mineração de zinco), fortalecendo o conceito de zero geração de resíduo.

Ainda em Vazante demos início à disposição a seco de rejeitos, o que reduz o risco ambiental e promove maior segurança nas unidades e em seu entorno.

Em Cerro Lindo, concluímos o Plano Diretor para disposição de estéril e rejeitos, redefinindo a vida útil do depósito até 2027. Também finalizamos a instalação de uma nova tubulação de água dessalinizada, para assegurar o suprimento do recurso para a mina, e avançamos no controle de acesso digital de pessoal.

No Complexo Pasco, incrementamos em 17% a extração na mina de Atacocha, para 1,4 mil toneladas/dia, em consequência de investimentos em desenvolvimento de mina, revisão de processos para aumentar nossa produtividade e otimização do sequenciamento de lavra para a alimentação da planta com melhores teores de minério. Também avançamos na expansão da Cava San Gerardo, já que obtivemos licença para ampliar a lavra. Em El Porvenir, obtivemos maior eficiência da lavra por meio da tecnologia sublevel stopping, implementada no ano anterior. Conseguimos ainda menores custos a partir da redução do volume de concreto consumido para contenção das galerias, assim como pela otimização de contratos com terceiros.

Metalurgia

Nosso grande desafio na metalurgia é obter ganhos constantes e incrementais de eficiência, por meio de pequenos ajustes na produção, redução de custo e pela redução gradual de gargalos nas plantas, como a melhoria da capacidade de processamento de nossos ustuladores em todos os smelters.

Obtivemos um avanço de 91% na execução do projeto para mudar a matriz energética do smelter de Cajamarquilla, que substituirá todo o combustível líquido utilizado por gás natural, reduzindo significativamente as emissões de gases de efeito estufa e os custos operativos da unidade. Para melhorar a gestão das águas residuais, continuamos avançando ao longo do 2019 na execução do projeto para separar o esgoto doméstico do industrial. Novos vestiários e refeitório foram concluídos para maior conforto dos colaboradores. Estamos em processo de revisar a construção e execução do plano de trabalho do projeto Jarosita (conversão do processo produtivo de óxido de ferro para sulfato de ferro), que se encontra suspenso temporariamente devido ao atraso dos fornecedores de equipamento e materiais.

Conseguimos elevar a volatilização de zinco no Forno Waelz em Juiz de Fora, reduzindo as perdas pela escória, após instalação do sistema de resfriamento dos gases por spray de água. Esse sistema foi desenvolvido internamente e por meio de pesquisas de mercado. Com os testes e entrada efetiva em operação no mês de julho, o rendimento médio no processo de tratamento de pó de aciaria elétrica (PAE) do ano de 2019 foi de 93,2%, muito superior aos anos anteriores (2017 – 83,2% e 2018 – 87,1%).

Além disso, melhoramos o nível de rendimento de recuperação de zinco em Três Marias, de 93,7% em 2018 para 94,2% em 2019. Além disso, mantemos uma operação com 30% menos de emissão de gases de efeito estufa, com nossas caldeiras a vapor instaladas em 2018 em substituição às caldeiras a óleo.